Hundred

Originalmente previsto para Switch no Japão este mês
O site oficial de Mainichi♪ Emiya-sanchi no Kyō no Gohan (Todo Dia: O Cardápio do Dia para a Família Emiya), o jogo de Nintendo Switch baseado na rede de anime do mangá de mesmo nome, anunciou na quarta-feira que o lançamento do jogo teve sua data postergada devido à propagação da nova doença do coronavírus (COVID-19). O site anunciará a nova data de lançamento futuramente.
O jogo estava originalmente previsto para sair no Japão este mês.
O jogo irá exibir receitas originais do mangá e anime, assim como novas receitas e relacioná-las com a história. Sangatsu no Phantasia retorna da adaptação em anime do mangá para produzir a música “Tabete Ageru” do jogo.
O primeiro episódio da série de 13 episódios que lançou no Japão durante o “Projeto Oumisoka de TV Especial 2017 de Fate” em 31 de dezembro. A série, em seguida, começou sua transmissão na AbemaTV em janeiro de 2018, e cada episódio começou a ser transmitido no início de cada mês conseguinte. A Aniplex da América começou sua transmissão na Crunchyroll em janeiro de 2018, e a Funimation começou a transmissão da série no dia 26 de novembro.
A Aniplex da América descreve o anime da seguinte forma:
“Refeição satisfatória… de um ponto de vista familiar”.
Nesta história, Fate e comida se encontram em um mundo delicioso e brando.
Nada além de um cenário de refeição comum…
Deliciosas refeições são servidas na mesa de jantar do Emiya todo o dia, ininterruptamente do verão ao inverno.
— Vejamos… o que temos para o jantar hoje?
TAa providenciou os designs originais das personagens, assim como o trabalho original junto da Type-Moon. Makoto Tadano era a “supervisora da comida”, e Takahiro Miura e Tetsuto Satou dirigiu a série do anime. O estúdio ufotable animou a série e também lidou com a produção do roteiro. Toko Uchimura desenhou as personagens para a animação. Gou Shiina compôs a música.
DJ Misoshiru & MC Gohan (Ki/oon Music) fizeram a música tema de abertura “Apron Boy”, e o grupo Sangatsu no Phantasia (Sacra Music) compôs a música tema de encerramento “Collage”.
O mangá é lançado no site Young Ace Up da Kadokawa. A Kadokawa publicou o quinto volume compilado do mangá no dia 22 de fevereiro. A Denpa está lançando o mangá em inglês.

Fonte: Mainichi♪ Emiya-sanchi no Kyō no Gohan game’s websiteAnime! Anime! (CHiRO★)

A contagem regressiva do site terminou hoje (02/04/2020) e anunciou que o mangá Tokyo Mew Mew de Reiko Yoshida e Mia Ikumi está recebendo um novo anime intitulado Tokyo Mew Mew New.

“Tokyo Mew Mew New Seiyū Idol Auditions” começou a aceitar inscrições na quinta-feira para preencher o papel do protagonista Ichigo Momomiya. O processo de audição aberta ocorrerá na primavera e no verão através do aplicativo de audição mysta. As audições são abertas a mulheres jovens e estudantes do ensino fundamental. O candidato escolhido receberá um contrato exclusivo com a agência Swallow de Pony Canyon.

Yoshida e Ikumi serializaram seu mangá mágico original de Tokyo Mew Mew de 2000 a 2003 (com Kodansha creditado pelo conceito original da franquia), e a Tokyopop publicou todos os sete volumes em inglês. A Kodansha Comics lançou o mangá em três volumes omnibus com uma nova tradução em 2011.

O mangá inspirou uma série de anime de televisão de 52 episódios de 2002 a 2003, e a 4Kids Entertainment exibiu o anime com o título Mew Mew Power em 2005. Yoshida e Ikumi também serializaram um mangá sequencial intitulado Tokyo Mew Mew a la Mode de 2003 a 2004, e a Kodansha Comics publicou o mangá em inglês.

A franquia lançou uma nova série de mangás da Madoka Seizuki intitulada Tokyo Mew Mewère em 30 de novembro. O novo mangá de Tokyo Mew Mew foca nos personagens masculinos, em vez dos personagens femininos do mangá e anime anteriores.

Yoshida e Ikumi publicaram um novo mangá de dois capítulos, Tokyo Mew Mew 2020 Re-Turn, em dezembro e janeiro.

Fonte: Site do anime Tokyo Mew Mew New

Atualização: Ikumi postou um comentário ilustrado, notando que ficou surpresa ao ouvir que este trabalho de anos atrás estava sendo animado novamente. Ela pediu à equipe de anime que fizesse o melhor possível.

 

Fonte – https://twitter.com/mew_mew_new?s=20

A Sega of America começou a transmitir um trailer de combate para o novo jogo Sakura Wars na sexta-feira.

O jogo será lançado no Ocidente no dia 28 de abril. A Edição de Lançamento física incluirá o Pacote de Figurino do Teatro e um conjunto de adesivos. As edições Digital Standard incluirão um tema dinâmico Imperial Combat Revue PS4 e o pacote adicional Neko Ears. Além desses dois bônus, a Digital Deluxe Edition incluirá o pacote complementar Legacy of Love, o pacote adicional de acessórios encantadores e o pacote DLC de maiô.

O jogo lançado com o título Shin Sakura Taisen (Nova Sakura Wars) para o PlayStation 4 no Japão em 12 de dezembro. O jogo acontece no 29º ano do período fictício “Taisho” da franquia na capital de Tóquio, 12 anos. após o Sakura Wars V. O período real de Taisho no Japão durou apenas 15 anos, e o kanji costumava escrever “Taisho” em Sakura Wars é diferente do kanji usado no período real de Taisho.

O protagonista do jogo é Seijuro Kamiyama, e a história o segue enquanto ele lidera uma nova Revolução Imperial de Combate. Kouma aparece mais uma vez na capital, e as Forças de Assalto são criadas em cidades de todo o mundo.

O criador do mangá Bleach, Tite Kubo, foi o criador do personagem principal do novo jogo, mas o jogo teve outros criadores de personagens para outros personagens, incluindo Yukiko Horiguchi (K-ON !, Tamako Market) para os personagens da Shanghai Assault Force, BUNBUN (Izetta: The Last Witch, Sakura Quest) para os personagens da London Assault Force, Humikane Shimada (Girls und Panzer, Strike Witches) para os personagens da Berlin Assault Force, Noizi Ito (A melancolia de Haruhi Suzumiya) e Shigenori Soejima (série de jogos Persona).

Kōhei Tanaka voltou à franquia para compor a música, Jirō Ishii (sob o cão, BBK / BRNK, Monster Strike the anime Animation; 428: Shibuya Scramble e Nove horas, nove pessoas, jogos de nove portas) era responsável pela composição da história, e Ouji Hiroi forneceu o trabalho original.

A adaptação para anime do jogo será exibida em 3 de abril.

Fonte: Comunicado de imprensa / AnimesNewNetwork

 

Foi anunciado uma adaptação anime do eroge, criado pela Lose, para 2020.

História  –

As locomotivas costumavam ser o método de transporte mais popular. Todas as locomotivas têm uma unidade de controle humanóide chamada Ferrovia, que é um método muito eficaz de usar comboios. Após o surgimento de “aeronaves”, um bom método de transporte aéreo, no entanto, o seu uso e popularidade diminuem rapidamente.
Depois de ouvir que uma fábrica industrial será possivelmente construída ao longo de um rio histórico nasua cidade natal Ohitoyo, Migita Sotetsu volta para casa para mudar a opinião dos responsáveis pela proposta da fábrica. Apesar de metade dos cidadãos da cidade apoiar a construção de tal fábrica, a outra metade teme o potencial de poluição e contaminação do seu amado rio. Reconhecendo o declínio orçamental de Ohitoyo nas últimas décadas,Sotetsu acredita que a cidade necessita de um sistema que lhe permita ser fiscal mente independente em vez de depender de uma fábrica para estimular a sua economia, e propõe-se a identificar um método alternativo para atingir este objectivo. Ao voltar à vila ele encontra e acorda uma locomotiva chamada Hachiroku e, assim, começou uma parceria que fará com que sua vida dê uma volta “interessante.”

REVIEW
Se existe algo para destacar de bom nesta visual novel é a arte.. A partir dos primeiros 10~20 minutos,é cativante como as personagens se mexem graças ao E-Mote (como em Nekopara).
A música também é bastante boa de uma forma atmosférica, mas pouco memorável.

E é mais ou menos isso. Isto pode ser incrível ou aborrecido dependendo do que tirares da história. Se quiseres uma história cativante enquanto aprendes algo sobre comboios e locomotivas, então esquece não vais aprender nada, isto é nonsense, acerta nalguns bons mas de resto é praticamente 90% inventado, acaba por não ser bem feito, a unica parte que se mantêm é o cativante. Mas se realmente querem uma história moe com slice of life, então força.

Fora de gostar ou não do gênero, a história por vezess desenrola-se a umritmo estranho e acaba sendo anticlimático. Às vezes começa a ficar boa e depois a cena acaba num cliffhanger…e avançamos 3 meses na história.

 

CONTEÚDO NSFW.
A pornografia honestamente parece que foi escrita por outra pessoa e o protagonista parece diferente. Se eles reduziram a pornografia em 1/3 e colocaram esse tempo em algumas cenas extras por rota, acho que eu teria gostado mais.
Recomendo jogarem/lerem a versão All-Ages … o eroge contém demasiadas cenas H em personagens que parecem literalmente crianças ((como se pode ver na preview)….sem o conteudo erotico ficam sem 5% do conteúdo total …..em suma não contribui em nada para a história.

A arte é boa mas em termos de história é fraco.

 

 

Su grande fã de Key mas não quer dizer que goste de tudo cegamente…Ou considere tudo uma masterpiece.

Summer Pockets é o segundo jogo completo de Key no qual Maeda Jun não é escritor,,tal como rewrite.

No entanto, talvez graças ao feedback de Rewrite, Key conseguiu, sem Maeda escrever, uma historia fantasica…infelizmente o mesmo não posso dizer de Summer Pockets.

Definitivamente, um conceito muito interessante: quando se trata de jogos da Key, eles têm um padrão geral de como formulam as histórias. Isso significa que, embora a história tenha um grande impacto na primeira vez, quando ela se repete com frequência, especialmente em títulos posteriores, os mesmos elementos da história ficam obsoletos e, pelo menos nesse título, esse mesmo recurso permitiu criar mais buracos do que realmente necessário.

Embora eu definitivamente ache que Summer Pockets foi um bom jogo e faça um esforço para enfatizar por que foi bom, acho que é importante ressaltar suas partes ruins

SPOILERS!!!!!!

História – leiam na steam.

Character Design Rating: 6/10

Story Rating: 7/10

Protagonist Rating: 3/10

Game Quality: High

Overall Rating: 6/10

Personagens – Definitivamente, um jogo que achei agradável, fiquei surpresa que Nijima Yuu tenha escrito algumas partes do jogo, mas não me repugnou completamente como outros jogos que ele escreveu.

Por outro lado,quantas raparigas têm alguma doença estúpida ou poder magico?” todas e acho que esse é o maior problema deste jogo; ele usa esses elementos ruins para progredir na história.

É um daqueles jogos em que o conflito é artificial e a resolução também o que resulta num cenário em que se tem dificuldades em simpatizar com as personagens,

Personagens

Shiroha

o que eu consideraria uma rota muito infeliz, apesar de ser a heroína principal e central, Shiroha definitivamente não o parece,eu diria que asua própria rota principal não faz um bom trabalho explicando as coisas ou até prenunciando os eventos; o jogo apenas demostra o facto dela se distanciar devido ao que acredita ser uma maldição, mas não dá a origem nem eplica o seu relacionamento com as borboletas arco-íris. A verdadeira rota também traz implicações pesadas sobre como ela surgiu com essa “maldição”, mas esse foi apenas mais um momento, porque o jogo mandou toda a lógica pela janela e incorporou os elementos de fantasia mais convenientes. 

A route dae Shiroha no jogo principal pode ser essencialmente eliminada completamente porque a verdadeira rota repete eventos muito semelhantes com diferenças mínimas.

 

AO

Esta route explica as borboletas com mais detalhes.

SPOILERS 

Esta route envolve a irmã gêmea de Ao que está em coma e Ao vê se culpada devido a eventos anteriores, mas já existe uma contradição flagrante na rota – as Rainbow Butterflies são descritas como sendo as lembranças de alguém que partiu – Ao está à procura das memorias da irmã…MAS ….ela ainda está viva!. 

O fato de tocar nessas borboletas também lhe permite relembrar essas lembranças, mas obriga-a a dormir com mais frequencia …é uma escolha tão artificial escolha para se contar uma história, especialmente porque ela não se aplica para ao protagonista em nenhuma route ao contrário da route da Kamome.

Kamome

Provavelmente, o que eu consideraria a melhor routede todas, a rota começa com – como é possivel ela saber o nome do protagonista se é a primeira vez que ele está na ilha? E é a primeira vez que ambos se veem!.
Ela convida-o para participar numa aventura de caça ao tesouro,, esta route segue mais de perto o tema da rota comum de “curtir as férias de verão” em comparação com outras rotas, e é por isso que eu provavelmente a classificaria como a melhor.
A reviravolta na trama do final foi bastante decente, uma vez que foi prenunciada com freqüência e meticulosidade o suficiente.

 

Tsumugi:

Uma personagem estranha que parece passar todo o tempo no faro da ilha, a interação do protagonista com esta personagem envolve colecionar tubos de Pringles para que ela possa usá-lo para construir uma varanda para si mesma (HOW?).

A rota de Tsumugi também envolve um subcaractere chamado Shizuku e, francamente, o que eu mais odiava nessa rota foi como os três se tornaram “amigos inseparáveis” em apenas alguns dias e de todas as conversas em comum envolviam mamas.

Toda a rota é baseada nisso, além de como coisas estranhas estão acontecendo com a Tsumugi e eles descobrem algo aterrorizante sobre ela.

Esta rota tenta explicar o “Outro Mundo” com mais detalhes, mas falha por causa do foco demais na heroína, então o final tornou-se na típica “KEY” rota “Chave” algo comovente mas não o suficiente que me faça sentir triste 3 dias seguidos como os trabalhos anteriores.

 

Uni AKA SUMMER POCKETS

Eu sabia absolutamente que haveria outra rota e Umi estaria envolvida nela, era muito óbvio; ter essa personagem interagindo tão extensivamente com o protagonista no final de cada rota, fazendo-a desaparecer de maneira não natural, foi o principal factor para mim ao reconhecer que Umi seria uma heroína

A minha impressão geral dessa true route é Key acabou de despejar TUDO o que eles tinham escrito até esse momento e tentou fazer um novo jogo usando as mesmas configurações e personagens.

Embora eu não ache que essa seja uma má idéia, o problema é que esse “novo jogo” também não é tão bom.
Começa coma Shirohaa tornar-se a fake mom da Umi e fazndo todas essas atividades de pais e filhos foi muito fofo e tudo – e como Umi pode de alguma forma prever o O futuro ,fiquei empolgada com o que o jogo apresentaria, mas… então o jogo decide dizer que Umi era a filha de Hairi e Shiroha que veio do futuro …

Quero dizer a sério? Juntamente com o fato de que isto parece Clannad (no sentido de que After-Story era realmente sobre Ushio, filha de Tomoya e Nagisa), também existem algumas cópias directas de cenas de Clannad. simplesmente horriel; como Key não entendeu que não pode usar os mesmos truques que usaram para heroínas de jogos anteriores, porque ainda nos lembramos deles?

Não é costume deles fazerem isto :/
A única explicação que encontro é o staff encarregue do roteiro – é a primeira vez que trabalham para KEY e devem querer repetir CLANNAD