RetroAnime – Blue Submarine No.6

Blue Submarine No.6 (1998) adopta o conceito  ficção científica em águas submarinas e adiciona uma abundância de toques de design originais que contribuem para mais  entrada extraordinária no subgênero de ação bem como  em Animação de Vídeo Original (OVA).

Diretor: Mahiro Maeda.
Escritor: Hiroshi Yamaguchi.
Projetos: Mahiro Maeda, Range Murata, Takehito Kusanagi, Showji Kawamori.
Origem: Manga
Artista: Range Murata (OVA)

Infelizmente, muitos rotulam Blue Submarine No.6 (Ao No Rokugo), incorrectamente, como nada mais que um mero “clone de Evangelion”. Essa comparação não é de todo justificada.
Aqueles que esperavam algo como Neon Genesis Evangelion (1995-1996) provavelmente teram uma grande surpresa. E para aqueles que não se importam com Evangelion, percebendo que é uma pequena porcentagem, então perderiam algo completamente diferente. O mundo pós-apocalíptico é onde as comparações terminam, mas é essencialmente um elemento de muitos animes de ficção científica.

Tokyo-3 (NGE) também sofreu inundações devido ao Segundo Impcto. impactada pelo Segundo Impacto. Em Patlabor (BS No.6) o aquecimento global causou inundações, resultando no The Babylon Project. Em Blue Submarine No.6, a camada de ozono foi destruída. As calotas polares derreteram. E sim, as comparações geralmente terminam aí. A humanidade mudou-se para cidades-cúpula ou sob o oceano. Se clone depois significa cópia idêntica, fico feliz em informar que o Blue Submarine No.6 não tem essa semelhança com Evangelion.


NGE foi criado pelo estúdio Gainax enquanto que Blue Submarine No.6 foi criado pelo estudio GONZO.

Ironicamente, o Studio GONZO foi formado em 1992 por animadores vindos do Studio Gainax, com o objetivo de criar anime 2D gerado por computador.

Mais ironia? O diretor do Blue Submarine No.6, Mahiro Maeda, único, ele também trabalhou em Royal Space Force: Wings of Honneamise (1987), Gunbuster (1988-1989), Nadia The Secret Of The Blue Water (1990-1991) e até Neon Genesis Evangelion para o Studio Gainax. Impressionante. Ele acreditava que era o momento certo para uma tentativa de arte através do processo.

It occurred to me that 2D and 3D computer graphics had developed together to the point they could stand together as a legitimate work of art, and as a product. I wanted to see what such a process would look like with a story behind it. I just wanted to give it a try and see what happened. I like the visuals for Macross a lot. I was game for a try” (Newtype).. O que aconteceu foi mágico. A ideia de Maeda foi apoiado com a “bênção” do artista de mangá Satoru Ozawa, o homem por trás do mangá (1967) no qual o OVA se baseou, embora tenha sido a primeira imersão completa de Maeda na produção digital. “Digital technology is far faster. There is a limit to the manpower that we can afford under the budgets that the market allows us. So digital technology is an effective tool for maintaining a level of sophistication, quality, and consistency within those constraints” (Animerica, Vol.8, No.8, p.12).

Maeda, aluno da Gainax, criou o mecha design para Gainax no  animeGunbuster e também foi notável por redesenhar o primeiro Gamera para Gamera: Guardian Of The Universe (1995), a reinicialização de Daiei do kaiju clássico. Maeda também foi responsável por dirigir e criar designs de personagens em Second Renaissance para The Animatrix (2003). Ele também forneceu animação chave para as partes animadas de Quentin Tarantino de Kill Bill: Volume 1 (2003). E o próprio Blue Submarine No.6 continua sendo uma de suas maiores conquistas.

A história de Blue Submarine No.6 em si parece um tributo ao livro The Island Of Doctor Moreau (1896), de H.G. Wells. Blue Submarine No. 6 oferece uma espécie de reconto moderno da história popular. É difícil superar o filme original A Ilha do Dr. Moreau (1977), do diretor Don Taylor. Mas o Blue Submarine No.6 explora essas idéias e funciona como uma espécie de prima espiritual para esses filmes. Com efeito, o Dr. Moreau se torna o infame e vilão Dr. Zorndyke.

Dito isto, vale a pena notar que o OVA é muito mais o produto de uma série de outras concepções ou conceitos baseados no material original, o mangá criado por Ozawa.

Embora, na verdade, o novo Blue Submarine No.6 realmente não se pareça muito com o do manga.

 

Ozawa declarou, “Only the title really had anything to do with my Blue Sub 6” (Blu-Ray Interview with Satoru Ozawa). He continued, many fans were upset asking, “Mr. Ozawa, how could you let them do this?” Numa entrevista com Ozawa ele referiu que o conceito original para o manga foi rejeitado pelos seus editores pois nunca iria ser popular. Felizmente o design do submarino tornou-se bastante popular entre as crianças japonesas.

Em relação ao ova o estudio GONZO criou outro design um pouco inspirado no manga mas com o mind set de atrair novas gerações.

 

http://2.bp.blogspot.com/-QkAHkVXfCTU/Vh-0ZpG9lNI/AAAAAAAAvoI/WSauP7zdwlc/s1600/blue%2Bsubmarine%2Bno6%2Bblues63.JPG

The GONZO staff was given the creative freedom to throw out Ozawa’s cartoony boys’ adventure tale of spunky teen submariners fighting oceanic mad scientists  and monsters who want to conquer the world,” noted Fred Patten (Newtype USA, May 2003, p.41). Patten added, “They updated it into a somber modern sci-fi drama featuring such topical… threats as overpopulation, depletion of natural resources, bioengineering run mad, destruction of the ozone layer, melting of the polar icecaps” and “nuclear weapons… into the hands of (mutant) global terrorists” (p.41).

Passemos à história

A história concentra-se numa batalha entre o Dr. Zorndyke e a Blue Fleet.

A missão de Zorndyke é criar um mundo aquatico. É a sua visão de uma nova raça, corajosa de mutações genéticas e criaturas aquáticas que irá dominar este novo mundo para tal o Dr. construiu um dispositivo para acabar com toda a humanidade.

http://3.bp.blogspot.com/-VCt-Ek0reWw/Vh-0ZQqFAYI/AAAAAAAAvn8/VfUoLuXKTPQ/s1600/blue%2Bsubmarine%2Bno6%2Bblues54.JPG

Mutio- uma criatura aquática criada por Zorndyke. A sua espécie é freqüentemente chamada de nereidas (não deve ser confundida com as nereidas mitológicas da Grécia antiga). Devido à sua estrutura e design de órgãos internos, elas não podem falar, mas cada uma possui um nível muito alto de inteligência. Elas vivem em áreas rasas do oceano e são programadas para obediência estrita, até a ponto de suprimir seus próprios sentimentos.

Verg é uma das criações de Zorndyke e é o capitão do navio fantasma. Sua composição genética mais proeminente é a de um tubarão. Verg não pode naturalmente falar a língua humana e tem um sintetizador de voz embutido no pescoço que traduz seus grunhidos e rosnados para língua humana, embora seu rosnado ainda possa ser ouvido sobre sua voz sintetizada.

Como um dos “filhos” de Zorndykes, Verg refere-se a ele como “papa” e procura obter elogios pelo seu esforço para destruir a Frota Azul. Verg parece ter pouca consideração pelas outras criaturas do navio fantasma, atacando-as com frequência e ferindo-as em seus ataques de raiva, particularmente as “mulheres”, as espécies de Mutio.

O admirável mundo novo apocalíptico de Zorndyke é recebido com batalhão da resistência humana da Frota Azul. Liderada pelo sensacional Blue Submarine No.6, a tripulação inclui a bem torneada e sexy Mayumi Kino completa com um traje de mergulho que “abraça” a pele. O piloto da Marinha que virou caloteiro Tetsu Hayami, uma pessoa fria e cautelosa.

Blue Submarine No.6, por si só, é uma criação mecânica magnífica, parecida com um golfinho, que é uma combinação de CGI e animação clássica em 2D feita em cel. De fato, Blue Submarine No.6 foi um dos primeiros a implementar a tecnologia de computador para anime. Faz isso de forma bastante admiravelmente, pois o anime continuamantendo-se notavelmente bem todos esses anos, tanto em estilo quanto em substância.

A animação é uma esplêndida mistura de ambientes e mech tradicionais de 2D e 3D criados por computador. Vale a pena notar que a animação aqui é menos rígida e mais tradicional na aparência do que a animação auxiliada por computador de hoje, que geralmente é estéril, sem detalhes e estética.

Uma revolução estava ocorrendo enquanto a evolução da animação continuava. Diretores como Maeda estavam aproveitando ao máximo as opções para desenvolver suas visões.

Em pouco tempo, diretores como Makoto Shinkai e outros estariam criando mundos e filmes inteiros a partir do poder computacional de um único sistema.

O mundo criado para Blue Submarine No.6 é impressionante. Cidades afogadas, céu azul, paisagens subaquáticas, um paraíso termal são maravilhosamente executados.

Há uma sensação propulsora cheia de energia em Blue Submarine No.6, apoiada pela força jazzística de uma partitura de The Thrill.

Embora seja o resultado de sua forma OVA, Blue Submarine No.6 é um caso urgente de ritmo acelerado, completo com uma emocionante sensação de desespero, repleta de momentos mais tranquilos de reflexão humana.
Para completar os plot-holes foi lançado um jogo de prequela que expande mais o mundo de Blue Submarine No.6, o jogo saiu para a Dreamcast e PS1 nunca tendo um release oficial fora do Japão, recentemente em 2019 um grupo de fãs começou o projecto de traduzir o jogo.
O nosso objectivo no jogo é comandar uma frota, abordo de um submarino, em busca de um tesouro, o jogo expande os motivos do Dr. em ter crido afundar as cidades.

Embora, sem dúvida, seja uma história estranha e um tanto incompleta Blue Submarine No.6 bem-sucedido principalmente com variações inteligentes e bem criadas em várias convenções de ficção científica, criando uma sólida experiência de anime para os fãs que procuram algo um pouco diferente. Continua sendo uma animação impressionante também. Ao lado de Yukikaze e Last Exile (2003), o Blue Submarine No.6 é um dos títulos mais fortes de todos os tempos do Studio Gonzo.

 

 

 

 

 

 

 

 
\o/ AQUI! senpai...
por favor adicione em sua Whitelist(lista branca) nosso endereço para
permitir a exibição de anúncios!
Arigato!
\o/ AQUI! senpai...
por favor adicione em sua Whitelist (lista branca) nosso
endereço para
permitir a exibição
de anúncios!

Arigato!