Princess Knight 1967

Um dos meus trabalhos favoritos de Tezuka.

Princess Knight, também conhecida como Ribon no Kishi, é uma série japonesa de mangá escrita e ilustrada por Osamu Tezuka.

Historia

Do seu poleiro celestial, Deus distribui corações de raparigas e rapazes aos bebés que estão prestes a nascer. Mas uma partida de um anjo malicioso Sininho deixa a Princesa Safira de Silverland com um coração tanto masculino como feminino! ou seja o bebé fica com os dois.

Devido a uma lei antiquada que impede uma mulher de governar, Safira tem de se disfarçar de príncipe para impedir que o enganador Duque Duralumin chegue ao poder. O plano corre bastante bem até um torneio de esgrima correr mal e a rapariga ser despojada do seu título real. Agora, para recuperar a sua antiga vida, Sapphire deve escapar da prisão, combater dragões, e até ser transformada num cisne! Poderá a rapariga brigar e encantar o seu caminho para a verdadeira felicidade?

Curiosidades

A personagem principal de domínio do género foi inspirada pelo grupo de teatro musical só de mulheres Takarazuka Revue, no qual as mulheres interpretavam tanto papéis femininos como masculinos.

A história foi encomendada por um editor da revista Kodansha Shōjo Club que queria que Tezuka produzisse um manga dirigida a um público feminino e que replicar o sucesso das suas antigas histórias dirigidas para rapazes. O autor criou então a Princess Knight, originalmente publicada em série nessa revista de 1953 a 1956. A popularidade da manga resultou numa dramatização radiofónica em 1955, três outras serializações entre 1958 e 1968, e uma série de 52 episódios de televisão anime da Mushi Production que foi ao ar na Fuji TV de 1967 a 1968. Também influenciou vários musicais de palco desde os anos 80 e inspirou remakes da obra de outros autores.

Review

Ribbon No Kishi é um dos meus clássicos favoritos devido a ser muito à frente do seu tempo focando-se em questões sensíveis. Embora comum para os dias de hoje, foi Osamu quem primeiro ousou fazê-lo e permitiu que os outros seguissem os seus passos; uma coisa que pode ser dita sobre uma centena de outros elementos e tropes e géneros que esta revisão não se dará ao trabalho de enumerar. Tezuka certificou-se de ter a sua opinião sobre o assunto de uma forma muito séria e provocadora; uma coisa que muito poucos se deram ao trabalho de seguir. Na prática, ele foi não só o primeiro, mas foi o mais maduro a usá-lo como meio de transmitir conceitos interessantes e mensagem moral e não como desculpa para atrair esquisitos ou fujoshis ou outros espectadores assustadores sem qualquer consideração pelo enredo real.

As cores vivas da paleta e os edifícios em forma de conto de fadas podem ser um pouco interessantes de observar. Sem realismo no movimento, sem efeitos especiais reais e temas musicais patéticos, esta parte da série pode tornar-se repulsiva para a maioria dos otakus mas para mim não, pois cresci com Grimm’s Fairy Tale Classics. Um anime mais direccionada para raparigas do que para rapazes é diferente de Astro Boy.

Vamos finalmente começar a falar sobre a série actual. Então, de que se trata a história? Num reino de fantasia, o rei e a rainha estão prestes a ter o seu primeiro filho. Por causa de um erro burocrático no céu, o bebé que deveria nascer macho, em vez disso, nasce fêmea. A rainha torna-se incapaz de ter mais filhos e infelizmente, a lei exige que o herdeiro do trono seja um rapaz de sangue directo. O rei, temendo os usurpadores, esconde o sexo do bebé e cria-o para se comportar como um rapaz em público.

A personagem principal NÃO faz crossdressing porque ele/ela gosta de o fazer mas porque foi obrigada a fazê-lo. Ele/ela está ambos sem a liberdade de ser aceite tal como está. Assim como em Astro, a história é novamente sobre uma jovem personagem à procura de aceitação, apenas esta é forçada a ter uma identidade secreta porque a sua verdadeira natureza é indesculpável pela sociedade em que nasceu. Um ser humano que é masculino na alma mas feminino no corpo; só isso cria um conceito muito interessante para construir uma história a partir dele. Não se pode sequer categorizá-lo como travesti, homossexual ou travesti invertido.

De qualquer modo, a série é sobre tarefas que a rapariga/príncipe deve resolver em cada episódio (derrotar monstros, ganhar duelos, prender criminosos) para provar ao mundo que ele é um herdeiro capaz. E tudo isto sem revelar o seu verdadeiro género, uma coisa que se interpõe sempre no caminho e torna toda esta série interessante. E sim, ele/ela usa roupa de mulher de tempos a tempos como um pseudónimo. A rapariga/príncipe também tem como principal rival um príncipe de um reino vizinho que a tradição dita lutar continuamente entre si como um teste de força e para agradar ao povo. Como diz a história, os dois ficam muito amigos um com o outro.

Os vilões da história são membros do tribunal que maquinam a verdade e sempre colocam armadilhas e mentiras para ter uma desculpa para usurpar o trono. Ao contrário dos genéricos robôs maléficos de Astro Boy ou monstros alienígenas, aqui a ameaça vem de dentro das fileiras do próprio castelo onde o mal vive, tornando-o muito mais sinistro e traiçoeiro.

Além disso, ao contrário da natureza completamente episódica do Atom, aqui temos uma enorme reviravolta na trama a meio caminho. Metade da série é episódios isolados com um final feliz e uma mensagem moral, como em todos os contos de fadas típicos. Mas depois… os vilões matam literalmente o rei e a rainha e caçam a rapariga/príncipe a fim de a matar e de não deixar vestígios da linhagem de sangue. Acabaram-se os contos de fadas! A partir daí, a rapariga/príncipe torna-se um herói mascarado estilo Zorro (ainda fingindo ser macho) e defende o povo da tirania dos usurpadores. E sim, a história tem um final. Uma melodramática, mas um final, no entanto.

Como se pode ver, não é de forma alguma um simples conto de fadas ou uma história facilmente compreendida, e é isso que faz de Tezuka um mangaka tão grande. Embora simplista na sua implementação, ele consegue atraír os espectadores, mesmo assim.

Animes Identicos
Revolutionary Girl Utena
Rosa de Versailles
Ranma 1/2

Já conhecia esta obra? O que ficas-te a achar dela?

 
\o/ AQUI! senpai...
por favor adicione em sua Whitelist(lista branca) nosso endereço para
permitir a exibição de anúncios!
Arigato!
\o/ AQUI! senpai...
por favor adicione em sua Whitelist (lista branca) nosso
endereço para
permitir a exibição
de anúncios!

Arigato!