Kono Subarashii Sekai ni Shukufuku wo!

Ano Hi Mita Hana no Namae wo Bokutachi wa Mada Shiranai. é um anime com 11 episódios que foi lançado de 15 de abril de 2011 a 24 de junho do mesmo ano. Tem como género Slice of Life, Sobrenatural e Drama sendo classificado para idade superior a 13 anos. [leia mais]

Anima Yell! é um anime com 12 episódios que foi lançado de 7 de outubro de 2018 a 23 de dezembro do mesmo ano. Tem como género Comédia, Escolar e Desporto sendo classificado para idade superior a 13 anos. [leia mais]

ATENÇÃO CONTÉM IMAGENS GRÁFICAS

Como eu adoro este filme – é tão mau que é bom

Sinopse:

No futuro, cápsulas de suspensas são usadas para viagens espaciais que podem levar anos. A tripulação e os passageiros da nave espacial Saldes estão suspensos numa viagem de 20 anos a um novo mundo para investigá-lo quanto a potenciai descoberta de minerais e em reação ao desenvolvimento deste novo mundo. Durante a sua jornada, no entanto, o navio deteta e absorve algo que se regista como uma forma de vida. Quando a tripulação e os passageiros acordam, nada parece errado até que notem um relatório que foi enviado para eles, pouco tempo depois de dormirem, de que alguém entre os passageiros se juntou à expedição com credenciais falsas, portanto, pode ser realmente um criminoso tentando escapar à sua punição ou um assassino, quem sabe. A tripulação começa a suspeitar um dos outros, logo descobrem que algo realmente se juntou a eles: uma forma de bactéria alienígena que pode infetar pessoas com sintomas semelhantes à Legionella, matá-los e depois absorver os seus corpos também, como cresce num organismo muito maior e mais aterrorizante. Poucos sobreviverão tanto ao tumulto do alienígena quanto a um elemento misterioso adicional a bordo, que parece estar a operar no interesse da empresa patrocinadora, além do alcance da tripulação.

Hiro é procurado por assassinato na Austrália; ter matado três homens num ato de vingança; Dick é um policial que está a tentar apanha-lo
Quando o detetive coloca as algemas no seu alvo, o capitão da nave basicamente diz a ele que não faz sentido prender Hiro, porque não haverá ninguém para se lembrar do crime.

Deves estar a achar que nada disto faz sentido, até pensares na tecnologia envolvida nas profundas viagens espaciais. As câmaras de hibernação criogênica são construídas de tal maneira que pode-se viajar por várias décadas em hibernação e quando sair; só envelher um ano. Portanto, a missão em que estão agora é uma viagem de 40 anos; 20 anos lá e 20 anos de volta à terra. A equipa terá apenas dois anos – – no total.

O capitão do navio fala sobre como ele tem mais de 240 anos e como ele ficou tão empolgado com a sua primeira viaje, apenas para voltar para casa e descobrir que o seu filho era um homem mais velho do que ele. No final da sua segunda viagem, a sua família e amigos estavam todos mortos e as pessoas o tratavam de maneira diferente. Esse longo monólogo é muito bem escrito e a natureza cansada do mundo do capitão de repente faz muito sentido. Também traz uma pergunta interessante: vale a pena?

Viajar pelo o espaço numa viagem de 40, 50 ou 60 anos e envelhece apenas alguns anos – presumivelmente recebendo um salário ao longo do caminho. O problema é que, quando volta, o mundo é completamente diferente e a sua família agora é mais velha que você ou já se foi há muito tempo. Com isso em mente, vale a pena a dor e o sofrimento que tu suportarias ao voltar para descobrir que a tua família e amigos morreram enquanto estavas no espaço?

Este é um assunto que a ficção científica realmente não aborda e fornece a Lily C.A.T. um conceito interessante a explorar: os efeitos da exploração no espaço profundo numa equipa. Infelizmente, no entanto, eles não o exploram esse tema.

O gato de uma das personagens desapareceu, Hiro decide ir á procura do gato juntamente com a sua dona, Nancy Stroustrup, a filha do presidente da empresa…. IRRESPONSÁVEIS! Então a bactéria?

Infelizmente chegaram tarde de mais, Lilly a gata, foi consumida pela bactéria, que agora se espalha pela nave através das condutas de ar.

Os corpos dos mortos desapareceram misteriosamente…e de repente um gato parecido a Lily aparece na nave….Bem as coisas começaram a desenvolver-se rápido de mais não?

O gato misterioso é, na verdade, um Robô, chamado C.A.T!

C.A.T anagrama para Computerized, Animal-shaped Technology Robot

Um robô criado pela companhia que desenvolveu a nave espacial, baseado no aspeto de Lilly, o verdadeiro gato.
O objetivo do gato era vigiar os humanos enquanto estes dormiam e limitar a  sua intervenção ..porquê? Vá se lá saber, se calhar pensaram que os humanos eram incompetentes de mais para executar a missão com sucesso, sabe-se lá. Devido a um bug na programação o gato agora vê a tripulação como uma ameaça para si mesmos e tenta aniquila-los…. oh joy…. numa mão temos uma bactéria mortífera, noutra temos um robô que anda a matar a tripulação toda, PICK YOUR POISON.
O gato robô parece ser indestrutível, então como sobreviver a esta situação? O capitão dá aos outros 2 membros a oportunidade para fugirem no bote salva-vidas, enquanto ele fica para trás e ARREBENTA com a nave espacial, matando assim o gato e a ele próprio…enquanto Hiro e Nancy, navegam pelo espaço….até aterrarem no novo planeta que foram enviados para descobrir. E assim acaba o filme.

Veredicto final:

A única coisa que salva este filme, e provavelmente o único motivo para assistir Lily C.A.T, é o estilo Anime da época, que eu ainda gosto de ver hoje em dia. É distinto, é diferente e não é como nenhum outro anime que eu já vi.

Mas, além de tudo isso, não é tão bom quanto os filmes estrangeiros sobre alienígenas – Anime ou não – pelo menos façam um esforço adequado.

É uma pena, pois o anime possui uma premissa interessante e boa, os criadores não a souberam aproveitar ao máximo, a execução dé desejável. É apenas uma imitação barata do Alien.

Mesmo assim dou-lhe um 7.

Tipo: OVA
Episódios: 1
Ano: 1993
Produtores: Shueisha
Estúdios: Madhouse
Fonte: Manga
Gêneros: Romance, Shoujo
Duração: 30 min

Sinopse

A formanda Sakisaka Saki está secretamente apaixonada pelo namorado da sua irmã mais velha (Noriko), Kazame Kaname, sem saber que Noriko e Kaname terminaram Saki espera escapar do seu dilema quando vai para a faculdade, mas acaba por ingressar na mesma faculdade que Kaname. Durante a orientação, ela é recrutada para o videoclube de Kaname. Ele quer filmá-la, mas existe outro rapaz, Tachibana Daichi, que está secretamente apaixonado por ela. Os nós podem ser desembaraçados e o verdadeiro amor encontrar o seu verdadeiro caminho?

Deus abençoe a estética dos OVAs do início dos anos 90, que têm a sorte de sobreviver como transferências digitais ripados de fita VHS

Este anime é um pouco lento, mas é uma história completa que te vai afetar se gostas de shoujo dos anos 90. A maior parte do episódio é estruturada em conversas individuais sobre os sentimentos dos personagens e não há muito conflito, porque o problema em questão é a * perceção * da personagem principal em conflito com os seus sentimentos. Ela não quer ser egoísta, mas não há realmente nada no seu caminho, o rapaz de quem ela gosta terminou o relacionamento. Entender que as coisas não duram necessariamente para sempre é uma parte importante do crescimento, e eu gostei da maneira como os personagens chegaram à realização desse efeito.

Em relação à arte o design de personagens é bonito, realmente têm aquele aspeto de shoujo clássico.

Recomendo assistir se gostas de animes retro e shoujos reais.

Arslan, o príncipe herdeiro de Pars, é confrontado com a monumental tarefa de recuperar o seu país após a traição levar à derrota as forças do seu pai contra a nação de Lusitânia. Ajudado pelo seu leal general Daryun, o jovem embarca numa busca para expulsar os zelotas lusitanos e derrotar o Máscara de Prata, um inimigo enigmático que mantém o rei em cativeiro a fim de cumprir uma amarga vingança. O destino e o seu próprio carisma compassivo conquistam Arslan o apoio de aliados improváveis, marcando o início de uma lenda heroica que será recontada ao longo dos tempos…Baseado nos romances de fantasia de Yoshiki Tanaka (Lenda dos Heróis Galácticos), A Lenda Heroica de Arslan é uma história de aventuras arrebatadora e drama político vagamente inspirado pela história, literatura e mitologia persa. Esta adaptação inicial, que foi lançada teatralmente e cobre o primeiro de dezasseis volumes, reproduz a grandeza do material de origem através de ambiciosas sequências de animação desenhadas à mão que permanecem tecnicamente impressionantes até hoje – em particular a cena de batalha de abertura e o saque da capital da Pérsia. Os desenhos da personagem de Sachiko Kamimura são outro destaque, uma mistura do seu estilo de fluxo livre e a imponente ornamentação das ilustrações originais de Yoshitaka Amano. A partitura agitada de Norihiro Tsuru baseada em violino e um elenco de voz veterano fazem do filme tanto um deleite para os ouvidos como para os olhos.Os novos espetadores, bem como os que estão familiarizados com as tomadas mais recentes do conto popular de Tanaka, devem apreciar esta produção clássica.