Battle Spaceship Yamato 1974

Tenho um carinho especial pelos trabalhos de Leiji Matsumoto.

Space Battleship Yamato (宇宙戦艦ヤマト Uchū Senkan Yamato?), conhecido como Força Astral em Portugal, é um anime de ficção científica.

Concebido pelo produtor Yoshinobu Nishizaki em 1973, o projeto passou por diversas revisões. Foi inicialmente intitulado “Asteroid Ship Icarus” e tinha uma tripulação viajando pelo espaço num asteroide esburacado em busca do planeta Iscandar. No entanto, quando Leiji Matsumoto se juntou à equipa de produção, muitos desses conceitos foram descartados.

A série deu origem a um manga chamado Cosmoship Yamato, a diversos filmes de animação, séries spin-offs, OVAs e um filme live-action.

Historia

No ano de 2199, a Terra enfrenta a sua maior crise. Devido aos ataques bombistas incessantes da raça alienígena conhecida como “Gamilon”, o planeta já não pode sustentar os seus habitantes. Em exatamente um ano, a humanidade está prestes a ser extinta.

Em desespero, o povo da Terra estabelece a Força de Defesa da Terra, a sua última defesa contra o Império Gamilongo faminto de poder. No entanto, a humanidade encontra uma réstia de esperança após receber uma mensagem do misterioso planeta Iscandar, que lhe oferece um dispositivo que restauraria a Terra à sua antiga glória. Com a salvação à vista, a Força de Defesa da Terra apela ao prolífico navio de guerra espacial Yamato e reúne rapidamente uma tripulação para fazer a viagem de 168,000 anos-luz até à Iscandar e receber a sua ajuda.

Entre a tripulação encontram-se os jovens oficiais Susumu Kodai e Daisuke Shima, juntamente com vários outros líderes recentemente promovidos, todos sob o comando do ilustre Capitão Juuzou Okita. Forçados a aprender a lidar com a tecnologia inovadora do navio enquanto lidam com a investida das frotas Gamilon, o inexperiente elenco de Uchuu Senkan Yamato 2199 deve convocar cada centímetro da sua determinação para sobreviver às muitas dificuldades a bordo da Yamato e completar a sua missão: salvar a humanidade antes que seja tarde demais.

Curiosidades

Battlespace Ship yamato é inspirado no encuraçado navio japonês Yamato, afundando na Segunda Guerra Mundial. Até então, os seus destroços estavam encalhados no fundo do oceano. O barco do anime foi adaptado para ser a última esperança da Terra na resistência contra os ataques do planeta Gamilon.

De fato, a animação faz grande referência à marinha japonesa. No início da série é apresentada a história do Yamato, e os seus últimos momentos antes de ser afundado por um bombardeio da Força Aérea dos Estados Unidos. As naves e as formações de combate são inspiradas em batalhas navais.

Além disso, discute-se se os Gamilons seriam uma metáfora, ou ao menos uma referência aos americanos. O anime de certa forma visa elevar a autoestima do povo japonês com a sua referência de caráter heroico da sua marinha.

Em Portugal a série foi emitida pela RTP na versão original com legendas em português sob o título de Força Astral, com os nomes dos personagens alterados. Capitão Avatar (Capitão Juzo Okita)

Desslock (Desler)

Derek Wildstar (Susumu Kodai)

Nova (Yuki)

Rainha Starsha

 

Remake

Em 2019 o anime recebeu um remake feito pelo estudios: Xebec, AIC

Review

Felizmente, tenho o prazer de dizer que o renascimento de Yamato no século XXI é feito de forma fiel, respeitosa e magistral.

Em primeiro lugar, há a história. A história da Yamato é intemporal – Neste aspeto, a história de Yamato não é difícil de entender, e é algo que se pode apreciar em qualquer idade e em qualquer altura. No entanto, há muitos desenvolvimentos e ‘nuances’ que moldam a história para além da sua simples premissa, à medida que o espetáculo se desenvolve. Na sua maioria, segue fielmente a trama original, e embora não possa comentar pormenores específicos, porque spoilers, sei o suficiente para o dizer com confiança. Não é demasiado complexo – há também muitas coisas que são deixadas à imaginação, para não aborrecer o público. Se as aceitarmos pelo que são e não as convolvermos, é, na sua maioria, irrepreensível. Este é, afinal, um universo fictício.

Agora,a arte. Tem havido alguma confusão sobre as mudanças estilísticas do estilo Leiji original de Yamato para o remake. No entanto, penso que são uma mistura perfeita do estilo retro e do estilo moderno – o que ainda traz um toque artístico incrivelmente refrescante à Yamato que não é visto em lado nenhum hoje em dia. Mesmo que se perdesse o estilo original, penso que seria impossível recriá-lo exatamente se não se tivesse todo o pessoal de animação original, e isso é demasiado para pedir uma série com 40 anos de idade. Nobuteru fez um excelente trabalho ao revisitar o estilo de Leiji e ao trazê-lo a um público moderno.

A animação é absolutamente deslumbrante. É bastante óbvio que havia um orçamento elevado para a série, e eles utilizam-na em todos os lugares certos. Sejamos honestos – nos anos 70, muitos dos desafios técnicos que vieram com a animação de batalhas espaciais épicas e em grande escala eram difíceis de enfrentar com a tecnologia da época. Embora muitos sejam impressionantes, é fácil ver onde lutaram para alcançar a sua verdadeira visão. Em 2199, as naves são modelos em 3D, e o CGI entra fortemente em jogo durante as cenas de batalha. Houve uma época em que isto se traduzia em más notícias, misturar CGI com animação 2D, quando o CGI sofria de uma síndrome de “cutscene de videojogo”. Mas com a tecnologia atual, o CGI de 2199 é absolutamente deslumbrante, e mistura-se lindamente com os fundos. Cada navio é magistralmente trabalhado e detalhado, e cada nuance dos navios e do armamento é nada menos do que perfeição. A excitação de cada cena de batalha deixa-me sem palavras. Fãs de naves espaciais, jatos de combate e coisas mecânicas diversas serão preenchidos com nada mais do que alegria.

As personagens e a animação 2D é igualmente importante, e é tratada dessa forma. Há muita expressividade em cada personagem, e ela mostra-se. Há um pouco de moe aqui e ali, mas nada exagerado. Yamato leva-se a sério quando é necessário, mas também tem um pouco de diversão quando é apropriado.

A música e os efeitos acrescentam outra camada de imersão ao mundo de Yamato. A banda sonora é uma série de regravações de faixas originais do original com as trombetas de ficção científica dos anos 70 e vocais de apoio que muitos talvez se lembrem com carinho. Não, é algo que se ouve muito raramente hoje em dia, e é absolutamente perfeito para esta série. Basta que a abertura seja uma daquelas canções que não se pode saltar – o resto da banda sonora é igualmente inspirador.

Os efeitos sonoros, as vozes e o ambiente também são bem-feitos. As minhas partes favoritas são definitivamente os sons dos navios e as armas durante a batalha. Não há nada como ouvir uma enxurrada de lasers, foguetes e explosões – e, claro, o imponente Wave Motion Gun.

As personagens de Yamato são exemplos espantosos de arquétipos comuns. Há heróis corajosos, camaradas leais, vilões trágicos, e tudo o que está entre eles. Há um elenco bastante grande em Yamato, por isso não vou falar de cada personagem, mas embora muitas personagens possam parecer estereotipadas à primeira vista, Yamato nunca tenta definir claramente a diferença entre o bem e o mal – por vezes, simpatizarás com o inimigo, e questionarás os motivos dos heróis. É um daqueles aspetos importantes que ajuda a separar o trigo do joio neste aspeto. Ainda assim, há uma história muito clássica em mãos, e com ela vem personagens clássicas. Mas elas não são tão ocas e previsíveis como mais um cínico pode vir a acreditar.

Globalmente, não há muito mais a dizer. Dei um 10/10 de prazer porque cresci com BattleSpaceShip Yamato e com este remake sempre me vi ansiosa pelo próximo episódio – e quando eles vieram (as esperas eram bastante longas para aqueles que se seguiram ao lançamento da série), nunca dececionaram.

 

 

\o/ AQUI! senpai...


por favor adicione em sua Whitelist(lista branca) nosso endereço para
permitir a exibição de anúncios!
Arigato!

\o/ AQUI! senpai...


por favor adicione em sua Whitelist (lista branca) nosso
endereço para
permitir a exibição
de anúncios!

Arigato!